Como funciona o Metaverso

Já ouvimos falar do Metaverso e até sabemos que o Facebook mudou de nome para Meta, mas o que é essa nova plataforma de que tanto se fala? Mais do que isso, o que o futuro do metaverso nos reserva? Para responder a essas e outras perguntas, confira este guia completo do Metaverso.

O Metaverso é uma tendência crescente, e com certeza veio para ficar. Empresas como Facebook, Google, Nvidia e Microsoft têm investido nessa realidade virtual que promete revolucionar a forma como interagimos no ambiente digital.

O que e Metaverso e o que isso significa ?

O Metaverso é basicamente um espaço digital que combina aspectos e diferentes tecnologias, incluindo mídias sociais, realidade aumentada, realidade virtual, jogos online e criptomoedas. Nele, as pessoas podem interagir umas com as outras virtualmente.

Na prática, trata-se de um mundo virtual no qual os usuários podem interagir criando personagens ou avatares. Além de compartilhar com outros usuários, também é possível fazer compras, fazer diversas atividades e até aprender coisas novas. O conceito Metaverso já foi explorado em diversas plataformas de jogos online como Minecraft, Fortnite e Roblox. Mas a proposta do novo espaço digital é mais ampla e visa aproximar as pessoas de jornadas virtuais mais profundas.

Atualmente, o metaverso é um tema muito explorado, especialmente com duas grandes empresas de tecnologia focadas em explorar plenamente o conceito do espaço digital, como é o caso da Microsoft e do Meta, antigo Facebook.

De certa forma, é uma evolução de jogos como The Sims e Second Life no sentido de que as pessoas precisam de um avatar para viver naquele ambiente virtual. Mas agora de uma forma hiper-realista.

Outra forma de entender o metaverso é vê-lo como uma extensão virtual de nossa vida atual, como se fosse outra dimensão. Daí o nome Metaverso, que significaria além do universo.

Podemos observar na prática que esta é uma nova fase para o tipo de conexão. Note-se, portanto, que há uma correlação entre melhorias de hardware e infraestrutura: PC e internet fixa, celular e internet móvel, óculos de realidade virtual e 5G – que promete ser 20 vezes mais rápido que a conexão 4G.

Qual é a origem do metaverso?

A ideia do metaverso apareceu pela primeira vez no romance Snow Crash, publicado em 1992 por Neal Stephenson. No livro, o autor descreveu o Metaverso como uma realidade virtual onde as pessoas convivem através de avatares 3D.

Na prática, a realidade virtual já foi experimentada com jogos interativos – como EVE: Valkyrie e Spider-Man: Homecoming – e com reuniões online – como o espaço virtual do Metas Horizon Workrooms.

Para participar desses ambientes, muitas vezes é preciso usar óculos virtuais. Hoje, esses dispositivos evoluíram o suficiente para incorporar os movimentos da cabeça aos jogos. No entanto, eles ainda exigem controles externos para interagir com o Metaverso.

No futuro, essas tecnologias serão totalmente imersivas e responsivas aos nossos movimentos, e talvez nem precisemos usá-las, como é o caso dos óculos atuais.

Tecnologias Utilizadas

O Metaverso visa conectar as pessoas através do universo virtual. Portanto, é necessário o uso de diferentes tipos de tecnologias, tais como:

Realidade Virtual (VR)

A Realidade Virtual (VR) é um ambiente virtual com cenas e objetos semelhantes aos reais. Para acessá-lo, os usuários devem usar óculos ou capacete compatível com esse tipo de tecnologia. Com os equipamentos certos, os usuários podem mergulhar como personagens do jogo no universo virtual, aprender técnicas cirúrgicas e até aprimorar suas habilidades durante os treinos esportivos.

Realidade Aumentada (AV)

Ao contrário da realidade virtual, que obriga o usuário a estar em algum lugar diferente do habitual, a realidade aumentada adiciona elementos virtuais a um ambiente existente.

A integração do mundo virtual e físico é o principal objetivo deste tipo de tecnologia. A utilização de códigos QR é um exemplo claro de realidade aumentada, pois é uma marca no mundo físico que permite o acesso ao mundo virtual e vice-versa.

Blockchain, Criptomoedas e NFTs

O NFT ou token não fungível é uma commodity cujo valor pode mudar dependendo do interesse nele. Pode ser aplicado a diversos itens do mundo virtual como terrenos, imóveis, obras de arte, etc.

Ao adquirir um item com o certificado NFT, o usuário do Metaverso pode obter o registro desse item no banco de dados denominado Blockchain, que também é utilizado para transações de criptomoedas.

As informações relacionadas às Vendas são registradas no blockchain, incluindo a mídia pela qual o item foi adquirido. Dessa forma, o usuário pode comprovar no universo virtual que é o novo proprietário da mercadoria.

Artigo anteriorChelsea en vivo
Próximo artigoOnde assistir Flamengo e Corinthians pela libertadores